Um susto no descarado

fevereiro 5, 2014 7:27 pm

Pizzolato é um descarado! Sua prisão tem um gosto especial, menos pela justiça, pois pode não ser extraditado, e mais pelo desaforo do seu comportamento.

É compreensível que o condenado queira fugir, mesmo não sendo a postura mais digna. Daí para ficar dando declarações contra o judiciário brasileiro, enquanto confortavelmente descansa no norte da Itália, gastando o dinheiro que ajudou a desviar, vai uma grande distância.

Sócrates, o filósofo grego, foi injustamente condenado à morte, mas recusou-se a fugir, quando lhe permitiram. Considerou que seria mais indigno fugir à decisão do que enfrentar uma pena injusta. Pizzolato é de outra opinião, ele acredita que valha a pena debochar do sistema judiciário brasileiro e se esconder sob a proteção de sua cidadania italiana.

Pelo visto, ele tem pouca consideração também pela polícia e justiça italianas, pois achou que ninguém reclamaria do fato de ele ter entrado naquele país usando documentos falsos, ter passado fronteiras sem se identificar e estar, portanto, ilegalmente naquele território. Esse desprezo pela Lei e pelo Estado de Direito pode acabar lhe custando caro.

Para que ninguém esqueça, foi ele quem assinou as autorizações para desvio de nada menos do que R$73,8 milhões do Banco do Brasil para a agência de publicidade de Marcos Valério, de onde esse dinheiro sairia para irrigar as contas dos mensaleiros (os condenados e muitos outros, que nem processados foram).

Foi condenado por corrupção, peculato e lavagem de dinheiro, a mais de 12 anos de prisão, mas de certo acreditou que, na Itália, nada disso seria grave o suficiente para que ele fosse “percebido”.

Esse mesmo sujeito, depois de fugir do país, teve o descaramento de anunciar que estava apenas escapando de um “julgamento de exceção” e que estaria disposto a responder por seus atos em um país que não o julgasse com motivos “político-eleitorais”.

É até ridículo ver um homem tão poderoso na estrutura dos gabinetes do governo petista criticar um STF quase inteiramente nomeado por Lula e Dilma.

O STF não tem partido e, se tivesse, seria o mesmo de Pizzolato.

Preso, ele vai agora dizer que está sendo perseguido pelo governo Italiano, tentando desenhar um complô internacional capitalista, que estaria perseguindo os socialistas que tentam mudar o mundo.

Pena que o único mundo que ele trabalhou para mudar foi o dele e que o socialismo que ele conhece distribui riqueza apenas entre os seus companheiros de quadrilha.

Pode até ser que a Itália não o extradite, mas o medo que ele está sentindo, neste momento, de que tenha de pagar pelo que fez, já me lava a alma.

Para não me julgarem rancoroso, estou pensando em mandar um convite a ele:

Pizzolato, venha conhecer o Brasil que você ajudou a construir! Já temos o seu nome escrito em uma cama no complexo da Papuda, seja bem-vindo!

Comentários