Transição de Governo e de modelo

novembro 5, 2018 11:34 am

 

Na última semana recebi do Governador Zema a incumbência de conduzir a primeira fase da transição do Governo do Estado de Minas Gerais. Aceitei o desafio e me licenciarei por dois meses da função de vereador.

De um lado, o Governador Zema e o Vice Paulo Brant seguem no trabalho de construir um secretariado técnico e uma articulação republicana com a ALMG, da posição de quem obteve mais de 70% dos votos, sem apoio de nenhum parlamentar ou coligação, mas não pretende governar sozinho. Retirar o estado da situação de calamidade financeira em que se encontra será tarefa conjunta, de políticos e não-políticos, tarefa de que não se furtarão nenhum dos poderes nem seus membros, eleitos ou de carreira, tenho certeza.

De outro, a equipe de transição sob minha coordenação dividirá seu trabalho em três fases:

(1) Na saída, cuidaremos do diagnóstico da crítica situação do estado: Luciana Lopes, à frente do mapeamento da estrutura de pessoal; Victor Becho, na verificação das atuais políticas públicas e sua eficiência; e Victor Cezarini no levantamento de dados financeiros do estado. Contaremos, nesse momento, com o apoio gratuito da Fundação Dom Cabral e das consultorias Falconi e Aquila, reunindo o que Minas produz de melhor em gestão e governança, pública ou privada, pois como gosta de repetir o novo governador de Minas: Gestão é gestão em qualquer lugar e setor. Enquanto Rodrigo Paiva organizará nossos voluntários.

(2) Avançando o diagnóstico, com a chegada dos primeiros nomes que comporão o secretariado, a atuação será dividida por temática, de maneira a organizar os primeiros dias de governo em cada uma das 9 pastas que substituirão as atuais 21 secretarias.

(3) Por fim, em meados de dezembro, a comissão de transição deverá ser substituída pelos futuros secretários, de maneira a que as esquipes possam ser formadas, prestigiando os servidores de carreira e o mérito técnico, lembrando que Minas tem um dos melhores quadros de servidores do país, sendo sua escola de Governo, a Fundação João Pinheiro, uma referência internacional.

Será um governo disruptivo em práticas, radicalmente transparente, promotor do desenvolvimento individual como vetor de transformação social e coletiva, mas um governo responsável, que sabe que sua maior riqueza são os mineiros.

Foram esses mineiros que elegeram o Governador Zema e mantiveram fora do poder as velhas oligarquias políticas, contra todas as previsões e pesquisas. São esses mineiros que vão devolver o estado a sua posição de destaque nacional e referência internacional.

Volto ao meu mandato de vereador, terminada a transição, mas quero lembrar a todos que nada será como antes: Os inconfidentes voltaram!

 

Texto originalmente publicado no jornal Hoje em Dia – 05/11/2018

Comentários