Presépio sem vaca

dezembro 24, 2018 9:30 am

 

Por obra da administradora do escritório, que preparou uma atividade de final de ano envolvendo nossas famílias, recebi duas cartas que quero compartilhar ao longo das duas próximas semanas, pelo amor que representam. A primeira foi escrita por meu irmão:

Mateus,

Certamente essa é para ser uma mensagem de natal. Eu não gosto de natal. Apesar do importante significado religioso, o natal é uma data de certa forma inconveniente. Festas de final de ano em geral tendem a ser uma mistura da euforia de gente preguiçosa, contente porque que não vai trabalhar, com comida ruim, trânsito pesado e pessoas bêbadas. Perde apenas para o carnaval. Mas eu não posso deixar que minha rabugice atrapalhe esta mensagem.

É provável que eu não goste de natal pelo fato de não sermos aquela família de comercial de margarina, que monta uma árvore de natal e abre presentes rasgando papel celofane na beira da de uma lareira. Apesar disso, teve um ano em que você comprou um presépio! Eu tenho esse presépio, e monto todo ano, mesmo depois de a vaca ter sumido!

Muita coisa nos foi tirada de maneira muito estúpida, e você ficou sem natal desde então. Injusto. Você merece o carinho, o amor, o calor, o aconchego, o conforto, e o descanso do natal.

Você merece o que você quiser!

Mateus, você sabe que você é a melhor, maior e mais importante pessoa no mundo para mim. Você é o único responsável por absolutamente tudo que eu consegui ser e realizar. Meu melhor e incondicional amigo, meu confidente. Meu grande exemplo. Quem me ensinou que a vida premia o esforço, que prosperidade e educação são diretamente proporcionais, que ter experiência sem ter sonhos é morrer aos poucos. Me ensinou que o pior lugar para estar é no mesmo lugar, que temos que ter mais fome do que sono, que sorte é necessário, mas trabalho é fundamental.

Você cuida de todos, isso é sua natureza, mas eu tenho muito orgulho e felicidade de poder ter crescido nos seus braços, protegido por seu amor, você sempre fez da mandioca a farinha para que eu pudesse viajar, trabalhar, estudar e me realizar.

Sou muito feliz e sinto muito orgulho por ser seu irmão. Agradeço a Chris por ter te devolvido, pelo menos enquanto o Dr. João era vivo, a oportunidade de aproveitar o espírito natalino em família que perdemos tão cedo. Você sempre estava muito feliz naquelas noites!

Imagino que esse ano você não deve encontrar um ambiente muito preparado para celebrações de natal, fique feliz! Isso significa que não vai ter que comer arroz com passas, fio de ovos e frango com anabolizante! Eu te amo, mas esse ano confesso que também te invejo!

Feliz natal meu melhor amigo!

Beijos,

Lucas Miguel Simões de Almeida

 

Texto originalmente publicado no jornal Hoje em Dia – 24/12/2018

Comentários