O possível e ignorado papel da Guarda Municipal na segurança pública

março 17, 2015 10:07 pm

Os serviços públicos em Belo Horizonte são cheios de misteriosas incongruências, a começar pelo inexplicável fato de a BHTrans, proibida de aplicar multas já há alguns anos, continuar a ser nossa autoridade de fiscalização de trânsito, enquanto a guarda municipal poderia assumir essa função de forma completa, com uma simples alteração legislativa, podendo inclusive voltar a multar.

Enquanto isso, permanece a guarda municipal apenas como responsável pela segurança “patrimonial” dos prédios públicos e praças, deixando de exercer uma função mais integrada também com a Polícia Militar, com quem poderia colaborar de forma bastante efetiva na redução da criminalidade.

É claro que a guarda municipal não pode substituir as funções da PM, mas não seria minimamente razoável que eles utilizassem rádios integrados, sincronizassem o atendimento a ocorrências e dividissem informações sobre os aspectos de segurança da cidade?

Parece que essa não é a leitura das autoridades municipais, que não tem dado um passo sequer nessa direção, deixando como sempre há de acontecer no Brasil, as estruturas separadas por um apego à “competência formal” de cada entidade, de cada órgão, de cada cargo, deixando ao final sem atendimento a população, que deveria ser a única destinatária de todos os esforços públicos e, atualmente, é tratada como um detalhe incômodo da realidade burocrática do serviço público.

Comentários