O Petróleo é nosso ou não é de ninguém?

março 24, 2014 8:35 pm

Internacionalização é isso? Jogar fora o dinheiro da Petrobras pagando por uma refinaria americana 20 vezes mais do que ela vale?

É claro que precisamos internacionalizar os negócios da Petrobras e de todas as companhias brasileiras que tenham condição de atuar no exterior, mas isso não pode ser feito sem uma análise profissional e competente das condições envolvidas no negócio. Especialmente quando se fala de uma empresa do porte da Petrobras, que não deveria servir de poleiro político para apadrinhados políticos deste ou daquele partido.

A compra que significou prejuízos na casa de US$ 1 bilhão foi feita quando Dilma era presidente do Conselho de Administração da Petrobras, mas hoje presidente da República, afirma que não sabia de nada, que não conhecia os termos do contrato e que não tomou ciência da operação. Que bela presidente de Conselho de Administração… Nem as atas de reuniões que teriam aprovado a tal operação apareceram, até o momento.

O caso é relativamente simples, apesar de juridicamente complexo (como aliás quase toda operação suspeita, que sempre apresenta um formato complexo para deixar menos evidentes as intenções dos interessados): A Petrobras comprou, por US$ 1 bilhão, uma refinaria que agora se acredita valer US$ 42 milhões, ou seja, pagou 20 vezes mais do que o valor efetivo, jogando fora o dinheiro dos sócios da Petrobras, dentre eles a própria União, maior acionista da empresa.

Ou seja, a empresa arcou com perdas de quase US$ 1 bilhão, prejudicando diretamente todos os brasileiros que pagam seus impostos e que, portanto, são “donos” da Petrobras.

Quem ganhou com isso? Um Barão Belga, com negócios nos Estados Unidos, que descobriu uma forma de multiplicar sua fortuna às custas dos brasileiros e de nossa administração pífia e incompetente.

A refinaria de Pasadena entrará para a história como o pior negócio já feito pela Petrobrás, demonstrando, de duas uma: má fé ou má gestão.

Qual cenário é o pior? Nossos governantes e gestores do patrimônio público serem incompetentes ou corruptos?

Nessa hora, reafirmo o que já venho defendendo em outros casos: é a falta de transparência que serve de escudo, no Brasil, para corruptos e incompetentes, que jogam fora ou embolsam o dinheiro público, sem que ninguém veja ou saiba o que está acontecendo.

Como diz o ditado: “filho feio não tem pai”. A presidente diz que não sabe o que aconteceu, a diretoria da Petrobras diz que isso ocorreu na gestão passada, os antigos gestores dizem que tudo foi aprovado e, nós pagamos a conta. Afinal, quem melhor do que o povo brasileiro, já tão acostumado com isso, para pagar pela incompetência ou desonestidade dos outros?

Vamos ter de devolver os gestores públicos para a escola, para que eles aprendam que o dinheiro público é de todos, apesar de ser tratado como se fosse de ninguém.

Comentários